EU QUERO PODER IMAGINAR

por | jan 9, 2022 | Sem categoria

Ouça na minha voz enquanto lê:

Cresci me vendo ser obrigada a anular toda e qualquer porção de mágica que penetrasse as fendas da minha existência. Mágica, imaginação e ilusão eram, assim, devaneios que não mereciam habitar as minhas possibilidades, como se a realidade, exatamente como ela se colocasse à minha frente, já me bastasse como perspectiva e horizonte.

Fui me fazendo em doses generosas de realidade, mas o fato é de certa forma brusco, permanente e urgentemente encharcado de limites e ressalvas. Fui me desfazendo. Desde esse momento em que me fiz determinar que tanto pé no chão e olho aberto significava solidez, foi dali em diante que escorri. Condensada, quando dei por mim era pura entranha, uma massa mole que não me colocava de pé, nem de corpo e nem de alma.

Essa substância da qual eu era feita me fez fria, desacreditada, lenta e suspeita.

Duvidei de mim em certa altura. Foi esse o passo sem fim. Um gesto, um olhar pro lado que me levou adiante: tão bonito o mundo quando é paralelo! Pelo menos foi o que me disseram, e me deixei levar.

Eu quero ter o direto de imaginar, afiar minhas possibilidades, percorrer caminhos suspensos e mundos paralelos. Em definitivo, eu quero.

Eu quero sentir que imaginar também é respirar, pegar a existência pela mão e levar para um outro lugar. Quero passear por aleatoriedades e enfiar esperança em todas as lacunas que der. Em definitivo, eu mereço.

Eu mereço acreditar nas minhas próprias ilusões e me agarrar a elas sempre que der. Imaginar é soltar e trazer pra perto ao mesmo tempo.

Em definitivo, eu quero poder imaginar. Com licença, eu posso?

Com tudo que cabe,
Stéfany Freu.

ler mais posts desta categoria

× Contato