5 coisas que aprendi quando parei de comprar roupas | Seja Imensa
1165
post-template-default,single,single-post,postid-1165,single-format-standard,qode-news-1.0.4,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

5 coisas que aprendi quando parei de comprar roupas

 

O segundo semestre do meu 2018 contou com um desafio inédito para mim e passar metade do ano sem comprar roupas e sapatos me ensinou MUITA coisa bem além de moda e consumo.

Decidi bem pertinho da data que não compraria sequer mais uma peça, de julho até dezembro do último ano. Como foi no puro impulso mesmo eu admito que depois bateu um friozinho na barriga. Por isso, no início eu tomei algumas medidas drásticas como me descadastrar de todas newsletters de moda e evitar centros comerciais para não ter que resistir diariamente às tentações hehe

Além de aperfeiçoar meu comportamento de consumo, claro, a minha decisão de embarcar no desafio teve uma pitada de consciência financeira também. Quando finalmente comecei minha jornada de trabalho autônoma, o levantamento dos gastos em tim-tim por tim-tim no papel pesou no bolso da empreendedora que vos fala e eu vi que se realmente a independência era um objetivo, eu teria que aprumar o corpo e esquecer as brusinhas durante o restante do ano. Prioridades, né?!

Eu queria viver uma nova experiência de consumo, me desafiar em algo novo, economizar grana e viver na pele o autoconhecimento despido das sensações de roupa nova no armário. Eis que o combo deu no que deu e reuni abaixo os 5 grandes aprendizados dessa minha temporada:

 

1.  O BENEFÍCIO DA DÚVIDA É REPETIR O LOOK DE ONTEM

Eu nunca me importei em repetir roupa mas sempre gostei de fazer novas combinações entre as peças. Isso significa um grande quebra-cabeças na hora de me vestir todos os dias já que a criativa aqui não sossegava em repetir um look inteiro. As combinações esgotam? Claro que não. Mas no meio do caminho esgotada estava eu de querer inovar o tempo todo. Entreguei os pontos e cá estou agora em paz com a realidade do look de ontem pra hoje também por motivos de praticidade e simplicidade. Rolou uma vez, porque não rolaria de novo no dia seguinte, né?! hehe

View this post on Instagram

Se você chegou por aqui agora, quero te contar sobre um desafio que comecei em julho: embarquei em uma temporada de 6 meses sem comprar nenhuma peça de roupa ou sapato até 2019!! ♻️😮 . Para mim a melhor parte tem sido descobrir novas combinações entre as peças e a liberdade definitiva quanto a repetir os looks até mesmo em dias seguidos. E a mudança mais drástica e importante eu acredito que está sendo desapegar da necessidade de comprar itens para ocasiões específicas, porque eu tenho que me virar com o que já está comigo e não gastando tempo me procurando em lojas. Percebi, mais do que nunca que tenho roupas suficientes (e muito mais!) e que a moda nada tem a ver com vestir a tendência da semana e sim usar o que comunica uma mensagem autêntica sobre você. Qual o consumo vc gostaria de diminuir no seu cotidiano? Vamos nos desafiar! #SejaImensaComMenos #ConsumoConsciente #RoupacomProósito

A post shared by I M E N S A (@sejaimensa) on

 

2. As pessoas estão sempre te incentivando a comprar

Meu namorado quis me presentear com roupas, minha mãe também. Quando eu contava do desafio a maioria das pessoas esboçava compaixão e chegava a ser ridículo o quanto era verdadeira essa reação haha. Cheguei a acompanhar algumas amigas nas compras e elas sempre ficavam “experimenta essa”, “ah, mas essa é a sua cara, você tem que levar”, “abre uma exceção, juro que não conto pra ninguém”. IMAGINA que eu ia ousar me trair nessa dura jornada! Nananinanão. Quase que instintivamente queremos comprar coisas o tempo todo e quando aquilo não cabe para nós de alguma forma queremos provar o prazer da compra alheia e por isso incentivamos o consumo (de acordo com uma recente pesquisa promovida pelo Instituto Imensa de Análise de Comportamento rs). Frente a isso tive que ser ainda mais firme em não somente equilibrar o meu comportamento de consumo como também investir tempo em explicar para as pessoas que estava tudo bem eu não comprar nada.

 

3. Nunca vou ter um veredito definitivo sobre uma peça

Menina, se você soubesse quantas vezes eu me arrependi ao longo desse tempo a respeito de peças que eu vendi ou doei pouco antes do desafio! Nunca tive problemas de apego às roupas, por isso faço limpas com frequência por aqui. Ao longo do desafio eu percebi algo valioso: relevar pequenos defeitos em algumas peças pode funcionar melhor do que descartá-la para comprar algo semelhante. Basicamente, como eu não podia comprar nada, sonhei em resgatar (principalmente sapatos!) muitos dos meus últimos desapegos.

4. Eu uso 20% do seu armário em 80% do tempo

Alô, Princípio de Pareto! Seja pela preguiça ou pelo favoritismo, a gente incrivelmente tende a usar uma pequena parcela das roupas na maioria do tempo. Já ouviu falar que a gente deveria considerar o custo de uma peça proporcional a quantidade de usos dela (ou seja, dividindo o preço pago pelo número de vezes que foi usada)? Isso nunca fez tanto sentido e sinto que minhas percepções ficaram bem mais apuradas ao longo do desafio.

 

5. A moda vai se tornar minha aliada quando eu souber quem sou

Na busca pelo nosso estilo, as tendências nos pegam de jeito e acabamos vez ou outra cambaleando sem saber onde está nossa identidade em meio a tantas opções indo e vindo o tempo todo. Quando parei de comprar automaticamente me senti menos vulnerável quanto a expressão da minha personalidade através da moda. Passei intacta por algumas tendências que duraram pouco e durante 6 meses encarei TODOS OS DIAS as mesmas opções no armário, o que significa tempo de sobra para analisar a relevância e a minha conexão com cada peça.

Sem contar o meu senso crítico que ficou beeeeem menos cricri e preconceituoso principalmente em relação aos looks alheios e isso me fez muito mais leve. Sério, muito mesmo! Entender que tudo bem alguém simplesmente vestir uma roupa por outro motivo que não seja exibir sua personalidade o tempo todo significa um estado de espírito que no final das contas também é moda.

 

É claro que ao longo desse tempo eu também me dediquei a conhecer projetos e lojas que tem o consumo consciente como propósito principal e eu não poderia deixar de exaltar os brechós, uma paixão que tenho cultivado cada vez mais. E foi nesse contexto que encontrei o Brechó Dos Flamingos, uma loja online com curadoria in-crí-vel que preza pela longevidade e raridade das peças mas com aquele toque acessível de estar a um clique de distância, sabe?

Inclusive enquanto eu me despedia do desafio eles me convidaram a selecionar algumas peças para uma experiência de compra online e eu adorei passear pelo site para escolher minhas raridades favoritas. Aqui embaixo uma fotinha do meu mood no dia das escolhas haha

 

Janeiro chegou e saí ilesa. Até hoje, dia 17, as roupas e sapatos novos – que inclusive tiveram que pedir licença para entrar no meu armário rs – foram presentes que ganhei. Continuo com zero vontade de comprar e ainda mais sensível ao fato que não tenho assim tanta necessidade de comprar e com certeza com critérios diferentes nas minhas futuras decisões de consumo. Isso significa que o desafio #SejaImensacomMenos continua. Com outros rumos e com essa experiência agregada pra fazer toda a diferença.

Enquanto eu terminei o meu processo, acabei conhecendo um perfil que iniciou uma jornada bem parecida mas com a duração de 1 ano. O projeto é da Antonella Vanoni que lançou a #365diassembrusinha e eu já estou adorando acompanhar tudinho pois assumo que fiquei viciada nesse assunto. Além dela, várias de suas seguidoras entraram na onda e têm compartilhado suas experiências na hashtag também. Vale seguir a Antonella e se inspirar com o processo e mais ainda com os looks super fofos e impecáveis dela!

 

View this post on Instagram

O projeto dos #365diassembrusinha é difícil por muitos motivos mas acho que o principal é por ele ser composto por diversos mini-desafios. Sim, é isso mesmo. Se a gente parar pra pensar, além de ficar sem comprar roupas a gente precisa mudar hábitos, achar um objetivo, tentar alcançar ele, ser criativa com as roupas, ter auto-controle pra não se frustrar, aprender a cuidar melhor das roupas.. enfim. Da pra fazer uma lista imensa. Por isso e por acreditar que a ideia aqui é criar uma rede de apoio pra que a gente consiga fazer isso juntos, vou começar a compartilhar todos os dias a combinação de roupa que eu to usando e como eu to me sentindo. Vai ser bem diário mesmo, sabe? Acho que o início vai ser mais fácil porque ainda não esgotei as combinações que to acostumada mas tenho certeza de que até o final do ano vai rolar muita coisa por aqui. E quero que vocês participem disso e entendam que todo mundo aqui ta no mesmo barco hahaha. Esse foi o luquinho de hoje com participação do Rodolfo que achou legal deitar no meio da sala hahah. As marcas onde comprei tão marcadas na foto 😊 #lookdatoni

A post shared by Antonella Vanoni (@antonellavanoni) on

Me acompanhe no @sejaimensa para ficar de olho nos próximos passos e fazer parte comigo do desafio de uma vida com pouco, com pé no chão e sonhos mais próximos de uma realidade consciente e responsável.

Com tudo que cabe,
Stéfany Freu 🙂

 

 

 

Sem Comentários

Escreva um Comentário